quarta-feira, 3 de agosto de 2011

A semana d'opegapulhas

1-Porteira quebrada
Depois que o mercado brasileiro está inundado de cobertores, jogos de cama , tapetes e outros produtos têxteis internados via terceiros paises, por triangulação, o governo tardia, mas oportunamente "apreensivo", resolveu consertar a porteira quebrada. Quem sabe o burro que fugiu, carregado de tributos, volte arrependido das autoridades alfandegárias, fiscais e a Fiesp nem terem percebido sua travessura.

Flavio Marcus Juliano

2-Regras outras para alguns
O embrulho do governo regulamentará lei que o obriga a dar preferência a produtos de fabricação nacional. Pena que o embrulho não vigorava à época que o co-presidente escolheu seu brinquedinho da Airbus em detrimento de um produto da Embraer.

Flavio Marcus Juliano

3-Arabesco lateral (editado no Estadão.com em 03/08/2011)
No organograma do nosso vergonhoso govêrno foi "criado" o cargo de co-presidente. Na inauguração da nova embaixada da Argentina, a subida ao palco, com a maior carinha de sem jeito, de um co-presidente que não larga o osso, confirma dia após dia que Dilma é apenas uma figura decorativa. Mais tres anos e meio, com certeza, sairá de moda.

Flavio Marcus Juliano

4-A origem dos líderes
Ao ler o excelente artigo de Fernando Reinach, penso que alguns recentes líderes brasileiros chegaram aonde chegaram, apenas por serem turrões acima da média - sofrendo várias derrotas até conseguir o intento - e por liderar um enorme bando de mansas zebras eleitoras. Já o grau de frustração que os não-zebras têm de tolerar para aturar o líder, uma vez que inteligência não possui, apenas ousadia inconsequente, ajuda a entender por que certos partidos "da moda" atraem grande número de pessoas,enquanto há outros "não -turrões" esvaziando ao lado.

Flavio Marcus Juliano

5-Que coincidência!(editado no Estadão.com em 28/07/2011)
O imóvel escolhido e alugado, dentre 57, para abrigar a Procuradoria da Fazenda Nacional em São Paulo, teve caráter técnico. Ao ser divulgado que o imóvel, coincidentemente, pertence a um deputado, o que não é permitido pela Constituição, conclui-se, tècnicamente, que faltou caráter nessa escolha.

Flavio Marcus Juliano

6-Parafuso a menos (publicado no Estadão em 23/07/2011 e Diario de São Paulo em 26/07/2011))
O govêrno paulista dará ao Itaquerão, para fazer o "puxadinho" que acomodará o traseiro de mais 20 mil torcedores, um apoio de R$ 70 milhões, retirados, logìsticamente, do bolso dos contribuintes, modestos ou abonados, corintianos ou não, gostem ou não de futebol, concordem ou não com a má utilização do dinheiro público. Já que nenhum parafuso ficará com o Corinthians, inclusive o que falta na cabeça do govêrno, gostaria de ver um documento oficial assinado, indicando para onde irá esse material após o uso e como recuperaremos esse dinheiro para uma destinação mais decente.

Flavio Marcus Juliano

7-Assédio visual
O editorial de 25/07/2011(A3) explica perfeitamente a grosseira estratégia midiática do ex-presidente para se manter em evidência, durante os quatro anos do govêrno Dilma, mesmo à custa de proferir bobagens diárias. Entretanto, ao abrir a página A4, eis a deprimente contradição: uma foto da figura, em pose de ser pensante . Ora, será isto matéria paga ? O Estadão não deveria se prestar a isso, pois a mesma informação poderia ter sido dada sem a "subliminar" mensagem. Não é possível que, após oito anos, a imprensa não faça com que êle largue do nosso pé.

Flavio Marcus Juliano

8-Faxina carioca
A carta da jornalista Ligia Bittencourt, retratando com fidelidade a extrema corrupção que envolve a administração das cidades Nova Friburgo e Teresópolis, nos faz indagar se o povo brasileiro vai continuar aceitando pacìficamente esse estado de coisas e se o fato dos dois prefeitos serem do PMDB e do PT não sugere nada a ninguém.

Flavio Marcus Juliano

9-Dedo sujo(editado no Estadão.com em 25/07/2011)
"Oposição é como jogador no banco; torce para titular quebrar a perna". Quando FHC era titular, será que o metafórico, quando na oposição, pensava assim? Nós não queremos que êle quebre a perna; só que seja abduzido por alguma nave de Saturno e pare de falar bobagens todos os dias na mídia. Vaza!

Flavio Marcus Juliano

10-Enfim, um nome! (editado no Estadão.com em 24/07/2011)
Frente aos nomes "inhaddadequados" que o PT joga no ar para a disputa da Prefeitura paulistana em 2012, é confortável saber que a cidade e o eleitorado que busca novidades, podem contar com o nome de Andrea Matarazzo. Um basta no "sempre os mesmos" e nos aloprados e irrevogáveis suplícios de sempre.

Flavio Marcus Juliano

11-Carnaval de inverno
Cante essas cinco marchinhas em voz alta, com a família, vizinhos e amigos:

1-Allah,la,o,o,o,o,o,o,o
Mas que terror,o,o,o,o,o,o
Atravessamos até o Jabaquara
O metrô estava cheio
E a passagem está mais cara

2-São Paulo, eu quero
São Paulo, eu quero
São Paulo, eu quero votar.

Me dá um nome
Me dá um nome
Me dá um nome, para não me envergonhar. .


3- Olha a sujeira lá na Sé
Será que não é? Será que não é?

Será que é herança da Marta?
Será que é obra do Zé?
Parece que tem algo errado
Mas boa coisa eu sei que não é.

Corta o voto neles....... corta o voto neles......

4-Quem sabe, sabe
E elege bem
Como é gostoso
Votar tão bem

5-Propinas vão rolar
Verba cheia eu não quero ver sobrar
Eu passo a mão na obra nova em folha
E roubo até me afogar
Deixa a propina rolar


Flavio Marcus Juliano

12- Com ou sem?
O novo presidente peruano parece querer espelhar-se no ex-presidente brasileiro. Deve decidir se convém se apresentar ao povo como um mala sem alça ou não.

Flavio Marcus Juliano

13- Controvérsias e certezas
Se o PR, assim como outros partidos, é um lixo ou não, há controvérsias. Certeza mesmo de lixo é a decisão de impedir a CPI dos Transportes. Um jogo de cena imoral, cujos protagonistas irão para o atêrro sanitário da história política deste país.

Flavio Marcus Juliano
Postar um comentário