sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Direito de resposta

Carta de Elisabeth Chagas escrita com truculência respondendo a texto meu publicado dia 25/11 no Jornal Imprensa Livre


Resposta para uma das 6% da pesquisa DataFolha

6% são tão poucos que talvez não merecesse resposta, mas como diz o ditado:?Quem cala consente?, me dou ao trabalho de responder a carta de Mara Montezuma Assaf, publicada no dia 25 de novembro, na coluna do leitor. Concordo quando ela diz que a chegada do Lula ao poder foi antecipada por um planejamento perfeito que visou a perpetuidade de um plano feito após o Companheiro Lula, através das inúmeras caravanas, conhecer cada rincão deste País e as necessidades do seu povo. Por isso conseguiu implementar políticas de erradicação da miséria para MILHÕES de brasileiros que ficaram anos (só de Fernando Henrique foram 8) excluídos de qualquer bem ou serviço de qualidade. Você, Mara, numa atitude de ?cão raivoso?, ataca ações do governo, que já faziam parte das regras há muitos anos e não foram criadas pelo PT e que enquanto serviram para manutenção dos privilégios da elite hipócrita deste País, não mereceram a sua crítica. Gostaria que você apresentasse as provas, ou melhor as sentenças que comprovam suas afirmações contra meus COMPANHEIROS. A ADMINISTRAÇÃO PETISTA FOI ELEITA E REELEITA e vêm sendo aprovada pela maioria como demonstram as pesquisas publicadas na grande imprensa que ainda está a serviço da minoria, ou seja da burguesia deste País. Imagine se Fernando Henrique tivesse este índice de aprovação no seu 2º mandato, na certa já estaria comprando o 3º mandato. Mas o Companheiro Lula e o PT querem sim a continuidade deste projeto que mudou a vida de milhões de brasileiros e conquistou o respeito internacional, mas através das regras estabelecidas, por isso apresenta sua CANDIDATA. Isto é que causa esse desespero em você e mais alguns que pensam como você. O PT e o Companheiro Lula têm como princípio maior a DEMOCRACIA e não abrimos mão de através dos instrumentos estabelecidos por ela, ou seja com o voto da maioria do povo brasileiro, continuar a mudar este País e acabar com os privilégios de poucos nos quais a incluo.
Elisabeth Chagas - Advogada

Meu direito de resposta à carta acima:

À senhora Elisabeth Chagas

Fico satisfeita de ver que este espaço aberto a leitores missivistas repercuta e provoque discussões, isto é muito saudável. De tal forma, como uma de minhas cartas foi comentada, creio merecer o direito de resposta às palavras da advogada Elizabeth Chagas. A afirmação desta senhora de que minha atitude diante do governo Lula é a de um cão raivoso me choca , pois eu diria que é mais a de uma cidadã indignada, o que verdadeiramente sou...Mas releve-se a falta de polidez em quem reage tão rudemente a quem ousa criticar o mito Lula, O Cara, o pai do Brasil. Atitude bem própria daqueles que não sabem conviver com o contraditório sem apelar para agressão. Sinto não satisfazer ao desejo desta senhora de que eu apresente provas de minhas afirmações e ressalto que nem me vejo obrigada a tanto pois nunca, nunca mesmo, afirmo nada que já não tenha sido publicado à exaustão nos veículos de comunicação. Sou leitora e missivista, e não jornalista.
E a publicação de minhas deduções e conclusões pessoais em espaço cedido por jornais à cartas de leitores sobre fatos já divulgados é um direito garantido pela Constituição , pois ao que eu saiba, a liberdade de imprensa ainda vigente torna livre a informação e expressão do pensamento.
Quanto a Fernando Henrique...ao que se saiba, muito ao contrário de tentar forçar um terceiro mandato , ele solidariamente aplainou todo o caminho para Lula bem antes de sua posse, dando acesso aos petistas em secretarias e ministérios para que se familiarizem com o governo para que este não sofresse solução de continuidade.
Muito diferente da verdadeira guerrilha de campanha antecipada que foi montada por Lula/Dilma, traçando um embate de comparações distorcidas e pouco afeito à verdade entre Lula e FHC, que nem são candidatos, e não entre Serra e Dilma, o que seria o normal, mas não convem ao PT.
Quando a senhora Elizabeth critica minhas considerações sobre seus "COMPANHEIROS", quero dizer que se ela tem laços e interesses com eles a serem tão bravamente defendidos, eu, pelo contrário, sou simples cidadã, apartidária, pagadora de impostos, ficha limpa, e não devo nada a ninguem, por isso posso falar com a liberdade que a lei me garante.

Mara Montezuma Assaf
Postar um comentário