quarta-feira, 13 de junho de 2012

Opegapulhas em 20 tempos

1-A uma só voz Cético que sou, apesar de não acreditar no resultado que o povo brasileiro tanto espera sobre o mensalão, causa espécie que alguém que será julgado por formação de quadrilha e corrupção ativa, pose de "desesperado". Como "chefe da quadrilha" ou da "sofisticada organização criminosa" que produziu o mensalão, a compra sistemática de apoio de deputados federais ao governo Lula, que mofe 3,12,20 anos no xilindró. Pode se achar, nos seus momentos de delírio, o maior líder revolucionário socialista do Brasil contemporâneo, mas para o povo, especialmente os jovens, não passa de um Zé Ninguém. A uma só voz. Flavio Marcus Juliano 2-Ao pé da letra, não! Compreenda: "amor aos pedaços" é muito bom, delicioso, mas tem gente que exagera e entende errado. Flavio Marcus Juliano 3-Belo gesto (editado no Estadão.com em 13/06/2012) Uma octogenária gaúcha, dormindo calmamente, acordou com um ladrão no seu quarto. Conversa vai, conversa vem, puxou da gaveta uma arma guardada durante 35 anos e, com ela, deu fim no imbecil criminoso. Agora, ela está sendo indiciada por homicídio doloso, quando deveria ser condecorada, premiada e servir de exemplo. Será que um desses renomados causídicos, especializados em defender e absolver grandes criminosos não poderiam, num "belo gesto", defender a idosa? Ou continuaremos a ter pena do Código Penal? Flavio Marcus Juliano 4-Maioridade do crime IBGE aponta redução de 13% do trabalho infantil em 10 anos. Quer dizer que, pelo andar da carroça, levaremos mais 67 anos para eliminar o "pobrema" nexxxxte país. Vergonhoso! Flavio Marcus Juliano 5-Olha a pizza chegando...... Muito interessante. Os grampos da operação Monte Carlo estão sendo considerados ilegais, provas nulas, abrindo a vergonhosa possibilidade de soltura do contraventor investigado. Agora, exploração do jogo do bicho, caça-níqueis, subôrno de agentes públicos, corrupção de políticos, lavagem de dinheiro por empresas de fachada,superfaturamento de obras por construtora, nada disso é ilegal neste país. Não pode haver é banalização da Justiça. Flavio Marcus Juliano 6-Alguém disse........ Em 12/08/2005, alguém disse num discurso que "foi traído por práticas inaceitáveis", que "o govêrno errou e tem que pedir desculpas", que "o Judiciário está cumprindo com a sua parte".Tudo gravado. Pergunto, após sete anos,por que a pressão política para que o mensalão não seja julgado este ano? Como um delirante indiciado acha que pode "conclamar os jovens a sair às ruas" em sua vergonhosa e irresponsável defesa? Algum crédito pode ser dado à sua pessoa, uma vez que foi seu próprio chefinho que o pôs para fora do time? Que o STF deixe bem claro que o julgamento dos 38 réus não será político, mas que o crime cometido será apenado de forma exemplar, como manda a lei. Flavio Marcus Juliano 7-Orgulho nacional Com frequência significativa, lê-se que o Brasil continua muito bem-visto lá fora, como se o conforto e a felicidade do povo brasileiro dependesse apenas disso. Pessoas endividadas, comércio a passos de cágado, etanol e até feijão preto importados, lixo hospitalar chegando às toneladas, mercadorias chinesas a preços que destroem as industrias nacionais, corrupção, suborno, desvios, superfaturamento de obras, enriquecimento ilícito, políticos desonestos, bicheiros e traficantes dando as cartas, insegurança para ir a um boteco. Mas somos bem-vistos pelo mundo. Que bom! Flavio Marcus Juliano 8-Guerra dos Portos (editado no Estadão.com em 11/06/2012) Sete meses de duração para a guerra dos portos é um absurdo, o que gerará, fatalmente, um surto de importações ilícitas, sujeitando a indústria brasileira e os importadores honestos à concorrência desleal. O senado, por meio da Resolução 72, demonstra mais uma vez sua incompetência para assuntos de interesse nacional. O mercado interno está inundado de produtos têxteis - cobertores, tapetes, jogos de cama - importados, seja por meio desse "estímulo" , seja por circunvenção, subfaturamento, conteúdo de contêineres não condizente com a documentação e não se nota nenhuma ação da Receita Federal para retirar esse excedente de circulação. As autoridades alfandegárias preocupam-se com as miudezas das pessoas nos aeroportos, enquanto toneladas de ilícitos, incluindo lixo da Espanha, entram no país mansamente. Flavio Marcus Juliano 9-Duro de aturar!(publicado no Estadão em 09/06/2012) Lendo no Estadão sobre o reprovável comportamento do ex (?)-presidente, lembrei-me das três importantes atitudes citadas por Barbara Tuchman: o ignorar o crescente descontentamento dos outros, a primazia da auto-exaltação e a ilusão de um status invulnerável, são aspectos constantes da insensatez. Flavio Marcus Juliano 10-Finalmente, a impunidade Apesar da revelação de que o PT comprava deputados para apoiar o medíocre governo Lula, foi marcado o julgamento dos envolvidos no maior escândalo político do Brasil contemporâneo, chamado mensalão. A "serenidade" e a "plena confiança na Justiça" com que alguns dos 38 réus aguardam o julgamento, me fazem prever que nenhum centavo do dinheiro público será devolvido e todos serão inocentados, do mais alto até o mais baixo na hierarquia criminosa. Não creio também que haja perda política, pela não postergação do julgamento para o ano que vem, como pretendia o ex-presidente, pois a massa ignara estará preocupada com coisas mais importantes como o Brasileirão, Libertadores, quem são os pais do Jorginho etc.. Um caso vergonhoso como esse, com tamanhas implicações políticas, com governantes sem limites éticos para se perpetuar no poder não deveria ser objeto do meu ceticismo, mas quando sair a sentença veremos até que ponto a "faca no pescoço" do Judiciário foi pressionada. Flavio Marcus Juliano 11-Presente perigoso(editado no Estadão.com em 08/06/2012) No Dia dos Namorados lembre-se: "Não dê uma arma de presente à sua amada. A vítima pode ser você." Flavio Marcus Juliano 12-TV Pobreza(editado no Estadão.com em 06/06/2012) Não assisto à TV e jamais gastaria meu precioso tempo assistindo a um programa fazendo campanha escrachada. Mas leio o Estadão e fico sabendo (A3 - 03/6) que, "caso a presidente não queira disputar um segundo mandato e para não permitir que um tucano volte a ser presidente, o narcisista ex-presidente já se declara pronto para se recandidatar ao Planalto em 2014". Como se o cargo estivesse à disposição plena de sua exacerbada autoestima e, em seu presunçoso delírio, sonhasse que esse seja o desejo da vida inteligente que habita o País. Temos séria carência de líderes preparados, mesmo na oposição, para assumir cargo tão importante, mas com a verdade dos fatos brotando do julgamento do mensalão, o povo não permitirá que a corrupção, o populismo e a conversa mentirosa de palanque voltem a comandar o País. Flavio Marcus Juliano 13-Falta de Educação Discursar sobre educação sem nada entender do assunto, sem nunca ter estudado, é pura hipocrisia. Tenho saudades dos tempos da escola pública - que não era uma privada - e, com tristeza, leio que inaugurar 14 engôdos só para "ganhar das 10 de JK", é mais uma prova do descaso e do desrespeito com a educação universitária. Seria interessante que as instituições que concederam a êsmo títulos honoris causa, olhassem para as condições precárias citadas sobre as Unifesp- Guarulhos, Unifesp - Baixada Santista, Univ. Federal do Vale do Jequitinhonha, Univ. Federal do ABC e refletissem sobre a conveniência da honraria, pois não é com mentiras que construiremos uma geração preparada para o mercado de trabalho. Azia ao ler e Ásia não combinam. .Flavio Marcus Juliano 14-De cigarras e formigas Luis Carlos Mendonça de Barros, ex-presidente do BNDES, disse, com propriedade(19/05-B3), que não se pode esperar expansão como a asiática no Brasil, pois o brasileiro-cigarra gosta de ir à praia, tomar cerveja e tocar violão, enquanto o asiático-formiga trabalha, estuda, se instrui, se especializa,produz, adquire cultura, não vive de esmola populista e tem saude para mostrar resultados reais. Mas, por aqui, nenhum político jamais se interessou por povo educado e saudável. Melhor deixar o rebanho na ignorância bovina bronzeando-se na orla, né?. Flavio Marcus Juliano 15-Acendeu a luz vermelha(editado no Estadão.com em 29/05/2012) 1o.Ato: Gilmar Mendes e o amigo Demóstenes se encontraram em Berlim, supostamente, com despesas pagas por Cachoeira. E daí? Se não houve nenhum favorecimento em troca, o que deve ser profundamente investigado, não haveria motivo para o ex-presidente oferecer "proteção" na CPI do contraventor. Aliás, o simples fato do ministro do STF denunciar a pressão recebida de forma velada, num "encontro casual" com o ex-presidente, para que atrase o julgamento do escandaloso mensalão, "que nunca existiu", é um sinal claro de que nada teme. 2o.Ato: O ex-presidente, julgando-se acima do bem e sentado no mal, comentou que tem controle sobre a CPI do Cachoeira, o que mostra a vergonhosa composição do nosso Congresso, completamente desacreditado pelo povo. Oposição e situação. 3o.Ato:Que os demais ministros do STF, que não se sentem intimidados pelo ex-presidente, cumpram seu dever e abrilhantem suas carreiras, apenando pesadamente essa quadrilha do mensalão, tão perigosa e nociva ao país quanto a do contraventor. Flavio Marcus Juliano 16-Síntese perfeita Ao ver a obscenidade da vida política brasileira, o esforço partidário para que os crimes do mensalão não venham à superficie da privada, a constante bajulação sobre certos personagens ,com farta distribuição gratuita de diplomas, títulos, taças, troféus, flâmulas, medalhas , com cessão por 99 anos de 4,4 mil m2 de área pública para a sua idolatria, em prejuízo do povo paulistano,e este mesmo povo, através de pesquisa, dar 65% de aprovação ao desempenho presidencial, me fizeram lembrar de uma frase de Robert A. Heinlein:"Nunca subestime o poder da estupidez humana". Flavio Marcus Juliano 17-Passaredo Aves como o carcará - que hoje rasteja aos pés de quem lhe deu uma bela estilingada - e o falcão sem plumagem piam, publica e vergonhosamente ,seu desapreço pela liberdade de informação e opinião, ameaçando peitá-la com o mentiroso marco regulatório da comunicação, como se isso fosse da conta dos seus bicos. Enquanto batem as asas, cheios de ódio, atrapalhando a cobertura da imprensa, os tucanos continuam com cara de jacú, atrofiados em cima do muro, bicando as poucas penas que lhes restam. Acompanhando com revolta a realidade política brasileira, vexatória em todos os níveis, creio que há uma única espécie de pássaro representada nela. Qual será o coletivo de vira-bostas? Congresso? Flavio Marcus Juliano 18-Quem "anvisa"........(publicado no Diario de São Paulo em 15/05/2012) Um dos maiores laboratórios farmacêuticos de medicamentos genéricos do país é de propriedade de um presidiário, bicheiro e contraventor que, segundo escutas telefonicas, precisa cooptar figurões para obter, mais fàcilmente, licenças de medicamentos e renovações. No momento, está sendo investigado por formação de quadrilha e corrupção ativa de políticos e agentes públicos e privados. Você confiaria em tomar um remédio produzido por êle? Eu não!. Flavio Marcus Juliano 19-Respingos de Cachoeira(editado no Estadão.com em 10/05/2012) O mensalão em 2005 e a CGU identificando em 2007, ao menos 60 obras da Delta no Dnit com falhas alcançando R$632mi , não foi tempo suficiente para o governo federal considerar inidônea a empreiteira e fazê-la perder contratos em execução. Nem ao menos providências drásticas contra funcionários da autarquia, règiamente propinados. Com a CPI do Cachoeira, caiu o pano que a situação tanto temia e agora, só agora, quer se proibir novos contratos com a "principal empresa" do PAC (Programa de Amigos do Cachoeira). Flavio Marcus Juliano 20-Pente grosso(editado no Estadão.com em 07/05/2012) A Receita Federal, de forma louvável, afirma que não vai abrir mão do "dever" de verificar as operações de importação, como uma das medidas de defesa da indústria brasileira, nos setores que mais sofrem com a concorrência desleal de produtos importados. Há importadores identificados tentando segurar as cargas, na vã esperança que a Maré Vermelha seja suspensa e as mesmas não sejam fiscalizadas. E a mercadoria internada de forma irregular que se encontra em significativa quantidade no comércio? Será objeto de verificação pela Receita Federal, uma vez que prejudica a atuação de produtores brasileiros e importadores honestos? Flavio Marcus Juliano
Postar um comentário