domingo, 15 de abril de 2012

Eu odeio essa tal linha do tempo. Por Marli Gonçalves

Detesto qualquer coisa que já chegue imposta, virtual ou real. Coisas que a gente tenha de reaprender a usar, sendo que antes estava tudo bom e ninguém pediu para mudar. Há coisas que precisam ser clássicas, tombadas, imutáveis, e respeitada a vontade de mudar ou não; outras, irrequietas e mutantes


Não dá risada, vai! Quem me conhece sabe que, se tem uma coisa da qual não posso ser acusada ou chamada nunquinha é de ser conservadora; ou clássica, ou careta, ou qualquer coisa relacionada à paradeira, estática. Sou longe de ser o que chamam de convencional. Aqui e ali, sempre - e de forma natural - estive à frente do meu próprio tempo, o que me levou a aventuras (e muitas desventuras) precoces. E conhecimentos e aprendizados precoces, também, mas dos quais muito me orgulho.

Sendo assim, com todas as letras, posso falar?: eu odeio essa tal linha do tempo. Entenda como quiser. Falo diretamente da virtual, do Facebook, que agora está sendo imposta em todos os perfis, um saco, cheia de anúncios, confusa; mas respingo também na linha do tempo real, a que prende, delimita você em limites do passado, do presente e no futuro, quanto te costura na mídia social.
Gosto de arejar, acho que tudo tem, precisa e deve ser arejado, por melhor que seja. Mas ar livre, não condicionado. O arejar vem com a suavidade, escorrega, e quando você percebe já aceitou, se adaptou. Ultimamente as coisas mudam como se estalam ovos; no máximo avisam que a partir do dia tal, tal coisa que era assim vai passar a ser assim. E ponto. Gostou, gostou. Não gostou, vá lamber sabão.

Vem de cima, como está virando moda aqui no país tropical e alhures. É MP, decreto, diário oficial para regrar, incluindo leis, capítulos e parágrafos e gêneros. Não é por menos que cada vez mais decisões que dizem respeito até ao comportamento humano estão caindo lá na caixinha dos superiores magistrados. Viraram uma espécie de conselho de sábios e anciões ungidos que leem seus votos por hooooras a fio, para explicar o que decidem, indicados que foram pelas canetas da política. Tudo bem. Pelo menos botam ordem na fuzarca. Mas que eu lembro daquele Conselho do filme original Planeta dos Macacos, ah, lembro!

Deve ser a idade chegando. Fico besta com o tempo. O tempo passando todos os dias. Como as pessoas usam o tempo. Como desperdiçam o seu tempo - o seu, e o deles. O tempo de novos que chegam sem querer nem saber como era, e achando que são novidadeiros porque usam arrobas, enquanto nós a carregávamos. Os tempos dos velhos que não conseguem sair lá de trás, não arredam o pé. Ou novos que tapam a frente, não ajudam a carregar as sacolas de ninguém, como se imortais já fossem.

A linha do tempo real são as nossas rugas, cicatrizes, vitórias e percalços, subidas e quedas. Nossos amores, encantos e desencantos, a genética e os tiques que herdamos de algum canto. Só nós podemos organizá-la, dar importância ou descartar cada ítem. Só nós podemos compartilhar alguns destes momentos. Seja com imagens, seja com conselhos. E só na hora que a gente entender.
Nada é obrigatório?, diria Camões em versos luminosos que às minhas mãos chegaram agora, vindos de uma fundamental cápsula do meu tempo. Escritos em épocas onde o pensamento básico era da imutabilidade, das verdades eternas.
"Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, Muda-se o ser, muda-se a confiança; Todo o mundo é composto de mudança, Tomando sempre novas qualidades.
Continuamente vemos novidades, Diferentes em tudo da esperança; Do mal ficam as mágoas na lembrança, E do bem, se algum houve, as saudades".
Para finalizar, lindamente:
..."E, afora este mudar-se cada dia, Outra mudança faz de mor espanto: Que não se muda já como soía".
Nada de modernidades esquisitas - comer bem não é juntar espuma de chocolate com azeite. Mas Bossa Nova é Bossa Nova, mesmo que 50 anos depois.



São Paulo, onde o tempo e sua linha não param, 2012

Marli Gonçalves é jornalista - Vamos ficando mais velhos e perdemos muito da espontaneidade tão necessária à revolução, e à mudança. Por uma linha do tempo bem mais maleável.

************************************************************

E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// www.brickmann.com.br e no http://marligo.wordpress.com
Navegar é preciso. Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES - Onde você encontra tudo e muito mais
No Twitter, siga-me! "www.twitter.com/MarliGo"
Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br
Postar um comentário