sexta-feira, 17 de junho de 2011

Vista-se com isto. Por Marli Gonçalves

Já que agora somos livres para dizer e apelar para o que queremos, vamos desfilar por aí. Suba nessa passarela. Já pensou se usássemos nossos corpos como cartazes, com roupas que passassem recados por aí? Quanta coisa para dizer! Mensagem do dia. Tabuleta. Bandeirinha. O que você escreveria na sua?


O menino vinha andando, mãos no bolso, um ser normal, aparência tranquila. Mas ele - só pode ser - queria mesmo é se comunicar sem falar, mantendo informadas as pessoas com quem cruzasse, para que ficassem longe - me pareceu que era uma preguiça até peculiar de explicar muito. REVOLTADO: era o que diziam as letras brancas em sua camiseta preta. Apenas isso: revoltado. Ninguém sairia com uma dessas, sem se sentir assim. Sem estar assim. Sem ser assim. E revoltado com tudo, sem exceções. Palavra forte, essa.

Vi esta cena já há alguns dias, mas ela ficou na minha cabeça. Vamos virar cápsulas daqui a pouco. Penso que cada vez mais, até por conta de tantas tecnologias, nos fechamos em nós mesmos. Isso não é bom. Pensou se, por exemplo, a gente pudesse ter uma eletrotela na cabeça, que ficasse passando o noticiário, o "nosso" noticiário? Um Twitter vivo? "Não fale brusco comigo. Estou na TPM". "Quero que o mundo acabe em melado". "Hoje vou à luta". "Passa um SMS". "Só ligo a cobrar". "Dormindo em pé".

Já conhecemos aqui nesta terra um presidente que, quando começou a se isolar, comunicava-se por intermédio da camiseta com a qual corria no fim de semana, e chegou até ao deselegante "aquilo roxo". Um tanto grosseiro, mas esse cidadão ainda continua por aí, de volta aos círculos íntimos do poder. Devia usar uma assim: Bandido.

Aperfeiçoando a minha invenção, já pensou se fosse como uma máquina da verdade, daquelas que lêem seus pensamentos? O que diria a eletrotela de Dilma Rousseff? E quando está ao lado de Michel Temer? Você não tem essa curiosidade? De vez em quando, admita, também não imagina e põe balõezinhos na cabeça das pessoas, ou na sua mesmo, com um pensamento que fica ali pairando? Sabe aquele desenho que tem bolinhas e o balão, para denotar que é apenas um pensamento? Alguns são realmente censuráveis.

Não é tão louca a ideia, gente - já existe, já vi, passa uma mensagem vermelha, um banner, mas só para duas ou três palavras, fixadas na fivela do cinto ou mesmo no peito de uma camiseta. Você programa. Não é a coisa mais bonita do mundo, mas escuta só que não vai demorar e algum maluco beleza lança algo em laser, ou holografia, 3-D, neon, tinta invisível. Vai ser um aplicativo.

Aqui só fiz aperfeiçoar a "criação", dar uma de stylist, e desejando única e exclusivamente melhorar o entendimento entre os humanos que não anda nem um pouco fácil. Mal ou bem, se a gente pensar, essa onda de tatuagens não deixa de ser essa forma de expressão, só que mais radical; imagem eterna. Faz, mas não dá para mudar mais de ideia, nem de estado de espírito. Se tatuou dragão, não vai mostrar borboleta; se tatuou beija-flor, não dá para virar urubu de uma hora pra outra. Não pega nem bem. Sacou?

Melhor então é voltar à proposta inicial, roupas. Uma palavra. No máximo duas, uma composta ou substantivo + adjetivo, um sinal de pontuação. Pensei também se não seria uma boa uma coisa até mais intelectual, mas que também dissesse tudo sobre você. Viajei na ideia de um vestido preto, simples, com bom caimento, com as letras no peito, brancas: "BALZAC?". Ou talvez apenas SADE, SARTRE, DALI, CONFUCIO, PICASSO, DA VINCI, PELÉ. Depende de quem você gostaria de estar representando, ou de quem você gostaria de ter como se fosse um autógrafo no corpo.

Estampas não faltarão. Inclusive na linha bons desejos. Teve uma época que uma grife fez umas assim, mas começaram a piratear e eles desistiram. A linha era essa: Paz, Amor, Fraternidade, Igualdade, Liberdade. Proponho Verdade, Mentira. Tive um par de meias assim que amava: um era YES; o outro pé, NO. Serviam também como sinalizadores.

Longe da política e da militância a favor de qualquer coisa, podíamos pensar também em uma linha de lingerie especial, para homens e mulheres: Aperte Aqui, Abra devagar, Entre. Fique. Também poderiam ser usados os símbolos internacionais de trânsito. PARE. Curva acentuada à direita. Siga em frente. Cuidado: obstáculo. Livre, à frente. Proibido parar.

Garanto que ia ter um monte de gente comprando, para ver se melhorava a comunicação em casa. Uma coisa bem particular. Ou na rua. Agora podemos tudo, mesmo. Somos quase LIVRES.

São Paulo, TRÂNSITO PARADO. CONGESTIONADO. TÚNEL INTERDITADO. 2011.


(*) Marli Gonçalves é jornalista. Já pensou se combinássemos todos e passássemos a fazer SEGREDO ETERNO também dos nossos gastos com a copa e cozinha?

************************************************************


E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmentehttp:// www.brickmann.com.br e no http://marligo.wordpress.com// Aqui você encontra todos os artigos anteriores: Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog!
No Twitter, querendo seguir e ser seguida: "




Miniaturas de anexos Vídeos detectados neste e-mail Baixar todos os anexos Todos os anexos Só multimídias Só documentos Só executáveis Outros Todas as mídias embutidas neste email Exibir todas as fotos (slideshow)

Atenção: anexos podem danificar e expor seu computador a riscos. Saiba mais.




Postar um comentário