quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Crematórios em alta

07/08/2010

A grande imprensa silencia, mas o próprio senador Álvaro Dias já questionou na tribuna do Senado uma morte que, por mal explicada , está provocando rumores e mal estar.

O fato é que no dia 26/07 em Brasilia , morreu o Sr.Yves Hublet, o homem que acertou uma bengalada histórica na cabeça do José Dirceu na época do mensalão do PT. Até aí, nada demais, porque morrer faz parte da vida. Mas as circunstâncias é que são elas...

Após o episódio da bengala, Yves Hublet ,escritor de histórias infantís, passou por diversos problemas no Brasil e achou por bem mudar-se para a Bélgica, já que tinha dupla nacionalidade. Em maio deste ano veio a Curitiba tratar da publicação de um livro, e antes de voltar para a Bélgica, fez escala em Brasília, momento em que Hublet foi preso e mantido incomunicável. Logo depois adoeceu e morreu, dizem que de câncer, certamente daqueles fulminantes. Seu corpo foi cremado em Brasilia mesmo.

Seria interessante que se apontasse o familiar de Hublet no Brasil que autorizou sua cremação...
A coincidência é que há poucos meses aconteceu fato semelhante com um dos diretores do Bancoop que iria prestar depoimento na CPI da Assembléia Legislativa de São Paulo para confirmar a denúncia de desvio de verba da entidade. Morreu subitamente e também foi cremado. Espero que os crematórios não sejam tão disseminados no Brasil como o foram na Europa na época dos nazistas.
Postar um comentário