domingo, 11 de março de 2012

Crise militar e aborto - diversionismo

Eu percebo que existe uma tentativa de desviar nossa atenção para a crise do governo com os militares, para que passe quase desapercebida a questão da legalização do aborto . Uma comissão de juristas responsáveis por um anteprojeto do novo Código Penal já aprovou propostas nos artigos da legislação que tratam do aborto , prevendo a possibilidade para a permissão desta prática , além daquelas já previstas em lei, “quando a mulher for vítima de inseminação artificial com a qual não concordou; quando o feto for diagnosticado com anencefalia e outras doenças físicas ou mentais graves; e por vontade da gestante até a 12ª semana de gravidez, caso um médico ou psicólogo constatem que a mulher não apresenta condições de arcar com a maternidade”, como dependentes de drogas, por exemplo.

Eu que sou mulher e mãe vivendo no século 21, fico indignada que, com tantas ferramentas que as mulheres e homens tem hoje a seu dispor para impedir uma gravidez indesejada , ainda encontre juristas que apoiem a irresponsabilidade destas cidadãs com relação à prática do sexo. Significa que eles entendem que uma mulher tem maturidade física e psíquica para a prática do sexo, mas pode não tê-la para arcar com suas naturais consequências quando o sexo é praticado de forma irresponsável.

E é neste momento que os jornais fazem repercutir a crise entre governo e os militares e as ameaças que o MP faz contra eles. Parabéns! ! O governo usa a manobra do diversionismo midiático a todo vapor quando quer desviar a atenção da população para aquilo que realmente lhe interessa fazer aprovar!
Postar um comentário