sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Psiu, parem esse barulho dos infernos, por Marli Gonçalves

Estão fazendo uma reforma no apartamento bem embaixo aqui do meu. É tanta marretada, porrada, descascada, derrocada em todos os recintos aqui embaixo dos meus pés, que a casa toda treme. Os quadros estão tortos, caem coisas pelo chão, os rejuntes dos azulejos estão abrindo. Tem a serrinha, cortando, com aquele barulhinho contínuo e agudo. E a lixinha fazendo chiquichiqui...


Eu não mereço. Juro que não. Poucas horas e dias de folga, oportunidade de ficar mais em casa, ler, escrever. Dormir. Queria pelo menos, sei lá, ficar pensando sossegada, tentar ouvir o silêncio. Mas aqui estou eu, ledo engano, sendo tocada de minha própria casa, sem conseguir pensar em mais nada a não ser esganar um, irromper no apartamento que está sendo – só pode ser – reconstruído, esticado e remodelado para virar um palacete. Parece que o nome é retrofit, mas estou mesmo é querendo xingar de outra coisa.

E se eu fosse lá? Eles vão se assustar com minhas olheiras. Acho que vou deixar o cabelo bem desdeganhado para parecer a mais maluca. Poderia amarrar um cinto bomba falso e ameaçar explodir tudo se eles não pararem.

E se eu ligar para o bispo? Sempre falam para reclamar com o bispo, quem sabe? Não é pecado fazer obras nesta época do ano? Ou será que deviam obrigar o dono a ficar junto o tempo inteiro também sendo torturado com o barulho igual faz aos vizinhos? Depois das primeiras reclamações consegui apenas - por um lampejo de bondade - que as obras recomecem meia hora mais tarde, dia após dia, que eles sempre dizem que estão acabando.

Vivo ouvindo que uma mulher na TPM é capaz de matar se instada e irritada. Nunca senti muito esse efeito, mas agora entendo como ele se passa. Também pode acontecer quando o caso é barulho. Um assunto que está tomando proporção assustadora – e que é bom que todos os lugares se liguem o quanto antes para também não virarem o inferno para os ouvidos. O barulho vai irritando, irritando, tomando conta do seu pensamento, como um círculo vicioso do qual você não consegue se livrar. Não dá para esquecer ele ali.

Foi constatado que o que as pessoas acham que mais piorou nos últimos três anos foi exatamente o ruído, o barulho, o som infernal, a zoeira constante. Passou batida nesse lufa-lufa de fim de ano essa pesquisa importante, não só para a cidade de São Paulo, onde foi feita, mas acho que para todos os lugares onde se pretenda criar algum tipo de civilização. E de civilidade, quando e enquanto ainda for possível conversar com os humanos. Está beirando o insuportável.

Veja, estamos falando que o barulho foi o item que piorou mais do que tudo. Mais do que o trânsito, educação, moradia, segurança – que também pioraram, mas nem tanto. Não há mais sossego para quem vive numa cidade assim, e isso faz muito mal inclusive para a saúde. Decibéis a mais fazem estragos horrorosos em nossos organismos. Por exemplo, acima de 70, que você mede em qualquer rua de tráfego intenso, já aumentam riscos de enfarte e até de infecções, entre outras doenças sérias, porque a nossa imunidade é afetada.

Barulho é definido como um som indesejável. O que é engraçado é que o critério é pessoal, individual, e sons até agradáveis para algumas pessoas podem ser completamente desagradáveis para outras. Vide alguns gêneros musicais que andam por aí.

Então, o julgamento do que é barulho é individual. Pode até ser. Mas não esse que estou suportando. Estou falando do barulho da pesada. Essas teorias de relatividade me dão uma cansada! Não sei se é a malvada da falta de sorte, mas barulhos me perseguem. Os caras que catam o lixo do restaurante da frente são os terrores de todas as minhas manhãs, batendo caçambas. Os imbecis, bêbados, destravados e destravadas que saem para fumar do lado de fora da casa noturna “elegante” e “chique” aqui do lado, parecem matracas nas madrugadas. Sobre umas coisas, fiz o que pude. Mas sozinha, a andorinha... Polícia é pontual, embora outro dia um vizinho tenha chamado a cana e só assim acabou com uma festa de arromba que todos aguentaram até as cinco e meia da madrugada, em plena calçada.

Você já parou para pensar no cerco do barulho? Para onde olho, ou melhor, abro meus ouvidos, têm obras, buzinas, alarmes disparados, sirenes, escapamentos abertos, motocicletas com motociclistas aloprados, tontos acelerando, apitos, avião, helicóptero, pessoas falando muito alto.

O barulho isola, tortura. Descobri um site chamado chega de barulho, que cuida só – vejam – de questões “entre as pessoas”. A chamada é: “O site para quem está cansado de ser incomodado”. Mas em geral, para eles, a questão é apelar para vias judiciais, já que o site é de um advogado.

Mas também achei outros sites, muito loucos, que não entendi bem quem é que banca, se só os banners de propaganda: com barulhos do mar, barulhos da chuva e som de pássaros. Só podem ter sido criados quando alguém pirou de vez, de tanto se esforçar para esquecer – impossível – o barulho de algum vizinho, de alguma obra.

Um barulho que temo seja também o do progresso, das mudanças, que não param.



Marli Gonçalves é jornalista.

São Paulo, quebração dia e noite, de um otimista ano de 2012. Feliz, que você seja feliz como nunca!


(*) Marli Gonçalves é jornalista. Já baixou um aplicativo com medidor de decibéis, embora ainda não saiba exatamente para quem reclamar. E se adianta.



************************************************************


E-mails:

marli@brickmann.com.br

marligo@uol.com.br

ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// www.brickmann.com.br e no http://marligo.wordpress.com// Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br

Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES - Onde você encontra de tudo e muito mais

No Twitter, esperando você: "www.twitter.com/MarliGo"



Postar um comentário