quinta-feira, 22 de julho de 2010

As 20 últimas d'opegapulhas

1-Dentro da lei? (editado no Portal do Estadão em 22/07/10)
Cerca de dois anos atrás (10/05/08), o Estadão publicou carta minha no São Paulo Reclama, sobre o constrangimento que flanelinhas, prepotentes e acintosos, exercem sobre motoristas. O simples ato de ir à uma padaria, já causa a "obrigatoriedade" de uma caixinha ao dono da rua e, caso não seja dada, ouve-se xingamentos e ameaças à integridade do veículo e, como ocorreu comigo, tudo acontecendo a 50 metros de um posto policial. Entenda-se: são foras-da-lei que, com o polegar levantado e o sorrisinho cara-de-pau, acham que podem ganhar sem trabalhar. A polícia deveria ter tolerância zero com esses vagabundos e não exigir que quem se sinta ameaçado registre um B.O. O cidadão, cumpridor de suas obrigações, é que é o verdadeiro dono da rua

Flavio Marcus Juliano

2-Jabulani 2014 (editado no Portal do Estadão em 28/06/10)
Frente à quantidade de incoerências nas últimas pesquisas eleitoreiras - digo, eleitorais - a oposição deverá contrariá-las e vencer esse continuísmo inconsequente e mentiroso, até com relativa folga.
Até 2014 , o fabricante da Jabulani deveria desenvolver quatro novas bolas para a próxima Copa: a Jabaculê, em homenagem aos nossos probos políticos; a Jaburu ,em homenagem ao presidente oposicionista;a Jabiraca, em homenagem a quem pensava ser "a bola da vez". E a Jabaitarde, em homenagem ao artista que ficou 8 anos brincando com a Jabiraca, sem fazer um gol.

Flavio Marcus Juliano

3- Ahpedrejinejad (editado no portal do Estadão em 15/07/10)
O presidente iraniano deveria ser advertido pelo mundo todo e sofrer todas as sanções possíveis, caso não extinga essa absurda punição. Se adultério fosse crime no Brasil, passível de apedrejamento, a Vale dobrava seu serviço de mineração. É um absurdo, em pleno século 21, um regime paleolítico praticar crueldades, sob o olhar passivo e irresponsável do mundo civilizado, e ainda angariar a simpatia de governantes retrógrados.


Flavio Marcus Juliano

4-Raça maldita (publicado no Diario de São Paulo)
O leitor Sr. Conrado de Paulo propõe a esterilização e a proibição da venda de certas raças caninas. Ora, é impossível não amar essas raças. Temos uma rotweiler, extremamente mansa, brincalhona com crianças e com outras raças caninas. Como o homem, o cão é apenas produto do meio em que é criado. Se o animal apontado pelo leitor matou seu dono, êle só devolveu o que recebeu: pouco afeto, pouco alimento, pouca atenção. Há raças, malditas sim, bem mais prejudiciais à sociedade, que deveriam ser esterilizadas: pedófilos, sequestradores, estupradores, traficantes, políticos, etc.

Flavio Marcus Juliano

5-Mais do mesmo (editado no Portal do Estadão em 21/07/10)
Engraçado como certas verdades doem mais que uma flechada indígena ou uma cabeçada no poste.
A suposta ligação ou simpatia do PT às FARC não significa elo com o narcotráfico. Mas, que o atual govêrno petista é uma droga pesada, lá isso é! Ainda bem que não causa dependência, mesmo depois de quase 8 anos de muito fumacê, muita "farinha" do mesmo saco e boa parte do povo, entorpecida.

Flavio Marcus Juliano



6-Pegadinha (editada no Portal do Estadão em 25/06/10)
Já que pesquisas revelam que 35,5% das famílias brasileiras vive com "insuficiência da quantidade de alimentos consumidos", perguntar a elas se gostam de lula, além de ser pergunta mal-intencionada, confere ao alimento uma boa popularidade.......(A1- 24/06/10).

Flavio Marcus Juliano

7- Evita a ervita! (editado no Portal do Estadão em 31/05/10)
Bem, um bando de zumbis nacionais nós já temos: é só olhar para o nosso vergonhoso Congresso e adjacências. Agora, defender a omissão boliviana em relação à exportação de cocaína e de outras drogas para o Brasil , é colocar nossa juventude e a fôrça de trabalho de amanhã, à beira do precipício. O posicionamento do presidenciável Serra em relação à Bolívia está corretíssimo e esperamos que seja uma de suas primeiras providências, caso eleito. Será que os exemplos de Colômbia e México, duas "saudáveis" potências mundiais, não bastam para nossas autoridades se definirem? Ou nossos políticos petistas, frontalmente contrários à declaração de Serra, têm algum interesse intrínseco à ervita buenacha e suas consequências imorales?

Flavio Marcus Juliano

8-Mais promessas vãs?
Um assunto que me exaspera é o de que um governante chegou aonde chegou, porque tem méritos, quando chegou aonde chegou por demérito dos milhões que, por ignorância, lhe confiaram o voto. Nos 510 anos, desde que fomos achados oficialmente, nunca vimos um governante sequer apresentar, com seriedade, um programa para educação de base. Claro que isso não é descuido, mas profundamente estratégico e proposital, pois povo educado, esclarecido, culto e saudável é uma tremenda dor de cabeça para nossos medíocres políticos. Terceiro mundo é muito mais fácil de administrar e ovelhas submissas são mais mansas, cordatas, aceitam qualquer lei, qualquer conversa mole de palanque, qualquer um que lhes pastoreie, mesmo às custas de uma tosquiada de vez em quando. Gostaria demais queEducação fosse o tema pilar-mestre - não poste! - dos debates que teremos que aturar até outubro. Só assim saberemos, quem realmente está compromissado com o futuro das nossas crianças e com a preparação dos líderes de amanhã.


Flavio Marcus Juliano


9-Não dá prá comparar
Uma procuradora que estudou e se preparou para que a lei seja aplicada a todos, indistintamente, não é uma procuradora qualquer. Duro é ser governado por um sujeito qualquer e que, após 8 anos, queira nos impingir qualquer coisa pior.


Flavio Marcus Juliano


10-Quase igual (publicado no Estadão em 21/06/10 e no Diario de São Paulo em 01/07/10)
A Copa de 2010 tem a Bafana Bafana. A de 2014 terá o Afana Afana. Enquanto a seleção brasileira fatura a Costa do Marfim, os políticos brasileiros faturam nas costas do Brasil. E a diferença é enorme, de goleada!

Flavio Marcus Juliano


11-Boletim de Ocorrência (editado no Portal do Estadão)
Será que o atual governo vai criar essa sinistra estatal de seguros, para garantir cobertura ao candidato oposicionista quando, em outubro, êle bater violentamente num poste?


Flavio Marcus Juliano


12- Fomento da vagabundagem
O setor têxtil é de vital importância para a economia do Ceará, a
demanda por mão de obra é imensa e precisa ser constantemente formada
e preparada. Diante disso, o Sinditêxtil fechou, vários meses atrás,
um acordo com o governo para coordenar um curso de formação de
costureiras. O governo exigiu que o curso deveria atender a um grupo
de 500 mulheres, sòmente aquelas que recebessem o Bolsa Família.
O importante acordo foi fechado dentro das seguintes atribuições: o
governo entrou com o recurso, o Senai com a formação das costureiras,
através de um curso de 120 horas/aula e o Sinditêxtil com o
compromisso de enviar o cadastro das formandas às inúmeras indústrias
do setor, que dariam emprego às novas costureiras. Pela carência de
mão obra, a idéia não poderia ser melhor. O curso foi concluído e os cadastros
das costureiras formadas foram enviados às empresas, que se prontificaram em fazer as contratações, porém o número de contratações foi ZERO!
O motivo, triste e muito lamentável, foi que todas as costureiras, por estarem incluídas no Bolsa Família, se negaram a trabalhar com carteira assinada. Para elas, o Bolsa Família é um beneficio que não pode ser perdido e não se negocia sua perda. Para trabalhar como costureira, só recebendo por fora, na informalidade.
Como as empresas se negaram, nenhuma costureira foi aproveitada
e o custo alto para formar as costureiras foi desperdiçado.
A fonte dessa informação é atribuída à FIESP.



Flavio Marcus Juliano

13- Justiça terrena (editado no Portal do Estadão em 13/06/10)
Representando uma instituição com a credibilidade sèriamente abalada, o papa pede desculpas formais ao Papai do Céu, mas nós, cidadãos normais e de mente saudável, temos obrigação de exigir punição aos pedófilos. As autoridades e a sociedade têm que entender que não adianta os superiores afastarem esses celerados da Igreja. Nas ruas e no ócio, os pedófilos criminosos continuarão a extravasar sua tara, a caçar suas vítimas, a navegar por sites pornográficos e a colecionar milhares de fotos indecentemente explícitas com menores.
Mesmo que saibamos por pesquisas, que há predadores sexuais mais asquerosos, como pais biológicos, padrastos e avós, a pedofilia que grassa na Igreja não é menos condenável. As vítimas desse crime hediondo devem, judicialmente, sangrar o cofrinho da Igreja. Assim, ela não conseguirá sentar sobre anos e anos de descuido e negligência na seleção e formação do clero, seja por heteros ou por homos, mas mentalmente insanos e deformados.


Flavio Marcus Juliano


14- Bom de Copa (editado no Portal do Estadão em 10/06/10 e no Diario de S. Paulo em 07/07/10)
Quando um cidadão brasileiro infringe 5 vezes a lei, sendo multado por isso, a Justiça permitirá, esportivamente, que êle vá rumo ao hexa? Ou o povo esperará que Orcem o Processo?


Flavio Marcus Juliano


15- Cara e focinho
Às vésperas do triste, vergonhoso e indecente primeiro aniversário da censura imposta ao Estadão, lembrei-me de uma passagem do livro "A era da incerteza",(J.K.Galbraith/1977), onde a semelhança entre a côrte francesa no século XVIII e certos políticos brasileiros é marcante:"Pessoas que gozam de privilégios preferem sempre arriscar-se à total destruição, em vez de submeter-se a qualquer redução de suas vantagens materiais. Os privilegiados acham que seus privilégios, não importando quão ostensivos possam parecer aos outros, constituem direitos solenes, fundamentais, que lhes cabem por obra de Deus. Quando a reforma a partir de cima torna-se impraticável, a revolução a partir de baixo torna-se inevitável."


Flavio Marcus Juliano


16- Isenção (editado no Portal do Estadão em 29/05/10)
Alguns leitores observam que há um grupo de missivistas apartidários, criticando apenas um governante. Ora, se temos um governante há quase 8 anos, sempre blefando que está fazendo tudo que outros não fizeram, nunca antes neste país, se tem uma assistente de palco que diz ,na caradura ,que tudo que o governo fez de bom tem a mão dela, (até o Rodoanel!), se êle tem duvidosos 80% de popularidade, se é o cara mais "influente" do planeta e "menas fluente" em português, é o melhor promotor de relações internacionais, fortalecendo laços com ditadores, que pouco se importa com os aposentados e menos ainda com a corrupção do seu partido, o grupo vai criticar quem? Deodoro da Fonseca? Experimentem colocar um novo presidente, de qualquer partido, para ver se êle não dança miudinho, também. Sempre, por um Brasil melhor!


Flavio Marcus Juliano


17- Curriculo aloprado (publicado no Estadão e no Diario de São Paulo em 13/06/10)
Quando alguém que se diz de caráter íntegro, propõe-se a vender a sua pessoa, a sua imagem, o seu curriculo e as suas realizações, não será antiético a ponto de denegrir seu concorrente. Edificante e honesto será falar dos seus próprios pontos fortes, se é que os tem, e por que vale ou merece o que está pleiteando. Mais grave e vergonhoso do que falar inverdades sobre seu oponente, pela "enésima" vez, é não ter colocado em prática, durante toda a carreira política, o que seu diploma sugere que aprendeu, se é que absorveu alguma coisa. Se as pesquisas mostram tanta fôrça na sua subida , o que tanto teme no adversário, para escarafunchar, escutar, grampear,espionar, arapongar, fabricar dossiês falsos? Não confia no seu taco? Muito menos, nós!


Flavio Marcus Juliano

18-Onde Negociam Gatunos
Gostaria que alguém me explicasse por que não há ONGs estrangeiras no Nordeste seco, enquanto na Amazonia elas fervilham.
Sempre fui cético em relação à honestidade das atividades de ONG's, porém chama a atenção o fato que, no Nordeste, a população é vítima da seca, passa fome e sede, portanto subnutrida. Já na Amazonia, onde felizmente a situação é melhor, dizem que há 350 ONGs estrangeiras "ajudando". Ajudando a nos pilhar as jazidas de metais preciosos, a roubar a flora para laboratórios e facilitar a "exportação" de madeira e da fauna. Um govêrno medíocre, omisso e incompetente como o nosso ,se propõe a mediações internacionais e não cuida do próprio quintal, Onde Negociam Gatunos.


Flavio Marcus Juliano

19-Arquipelegos brasileiros (editado no Portal do Estadão em 16/07/10)
Concordo com o presidenciável Serra analisando os "profissionais da mentira".
Acredito no NÃO de um cão, mas não acredito num SIM de "gato" ! (A8- 15/07)

Flavio Marcus Juliano

20-Que rico vacilón!
Quando Armagedonejad anunciou o óbvio - que continuaria a enriquecer urânio em até 20% - seus surpresos e ferrenhos defensores devem ter feito profundos cálculos, para saber se continuariam a enriquecer em 20% também.
Ao contrário do noticiado, o Brasil não foi surpreendido, pelo menos aquela imensa minoria esclarecida, que discorda da política externa brasileira. Se continuarmos nessa linha de conduta, o povo judeu não considerará mais o Brasil, um bom retiro.

Flavio Marcus Juliano
Postar um comentário