quarta-feira, 7 de abril de 2010

TEMPORAL NO RIO

(No Estadão impresso, quanta-feira, 7/04/2010)
Vendo as imagens das enchentes no Rio, não pude deixar de lembrar medidas opostas de governantes daquela cidade. Carlos Lacerda foi muito criticado por eliminar a favela sobre o Túnel Novo e alojar os seus habitantes num conjunto de casas em bairro mais plano. Anos depois, Leonel Brizola, por demagogia e populismo, iniciou a ideia de urbanização de favelas. Por causa desse conceito absurdo, um grande problema cresce agora nos morros, com muita gente simples e boa vivendo sob o risco de deslizamentos em épocas de chuvas. A essência da questão é que os morros dependem de sua flora para segurar o solo que adere à rocha em camadas relativamente finas. Com o desmatamento necessário para a construção das precárias habitações, e os detritos despejados diariamente pelos seus habitantes, esse solo fica instável e movediço. É um problema natural e elementar. Todas as construções nas encostas de morros estão ou estarão um dia em área de risco. A urbanização de favelas só está maquiando e protelando um crescente e cada vez mais insolúvel problema. Mas, infelizmente, no Brasil da politicagem irresponsável e da demagogia, os ganhos imobiliários e o voto valem mais do que a vida de inocentes.
Postar um comentário