terça-feira, 28 de abril de 2009

A bolsa-gogão e a gelulladeira (artigo de 24/04)

Neil aderi numas Ferreira.

Todo homem tem seu preço, o Cara chegou no meu. Acabei de beneficiar-me com o Programa Bolsa-Fogão e comprei um novinho com desconto de I.P.I., que o Noço Iluminado Guia e agora também Meu Indiscutível Chefe Político proporcionou a todos nós. Comprei em Vezes. Não posso pagar no ato e serei esfolado pelos juros escorchantes dos Planos de Vendas Sem Juros, em Mais de Muitas Vezes. Acreditei que o preço em Mais de Muitas Vezes é o mesmíssimo preço a vista, como a doce e bela vendedora jurou que era, sorrindo à socapa para suas cumpanheras de trabalho, cutistas, mais um bobo que ela enganou na casca do ovo. As doces vendedoras são todas cutistas , o sindicato delas é da Cut.
Graças ao lullanomics (é a economia, estúpido !) recupero aos poucos meu lugar na crasse-mérdia, de onde fui expelido pela desastrosa administração FHC e seus sequazes banqueiros da zelite que, por acaso, continuam hoje os mesmos banqueiros da zelite, surfando nas ondas dos mais altos juros da Terra, esses que eu pago quando compro em Vezes Sem Juros, e que legaram ao Noço Amo e Senhor a mais Maldita de Todas as Heranças Malditas, a saber, um país tão quebrado como nunca antes neçepaíz.
Agora aliados desde criancinhas, banquerada e Noço Grande Inconomista, não sei quais colocaram quem no próprios bolsos (ou no póprio borço) ou vice-versa, sei lá.
Seis anos na vida de uma Nação são uma piscadela de um segundinho, mas foram de trabalho insano para o Noço Premero Trabaiadô. Quarenta e Oito Horas por Dia, Vinte e Quatro de PAC, Palanque Antecipado da Campanha, e Vinte e Quatro de Aerolulla, consecutivos e no mesmo dia sem descanso nem para trocar a camisa, puseram-nos tão nos eixos que os nossos heróicos quadros da ex-querda terrorista e da luta armada, que passaram a vida inteira passeatando “Fora FMI” e agora mandam pra caramba neçepaíz, aplaudem o chiquê buarquê de holandá que é dar bufunfa para o FMI esfolar paísecos pobrinhos, como esfolava o nosso.
Capitalismo selvagem é isso, se não pode com os banqueiros, associe-se a eles ou compre ações dos bancos deles. Banco é fogo no boné do guarda, depois da mega merda que deu no subprime americano, marolinha que afundou as finanças do mundo inteiro, o Bank of America aparece com aí um mega lucro, how come, não capisco um único cent dessa história.
Em pleno temporal da economia mundial, o mundo curvou-se ante o Brasil quando a Dona Rainha Queen colocou o Garanhão de Garanhuns (embarrigou a galega na primeira, sic) ao seu lado na foto oficial do G20 em Londres e largou o cumpanhero Obrahma em pé na fileira atrás dela. O havaiano ? queniano ? catou seu lugarzinho por cota, se é que me entende. O nosso (o meu, teu, seu, nosso, vosso, delles) foi tratado a vela de libra e tripa forra, como legítimo branquelo duzóio azur, oras, se a galega e os filhos são italianos de passaporte, o Premero Marido também é por, como direi, parentesco, maridesco ? Ah, vai, você sabe do que estou falando.
O cumpanhero Obrahma ajoelhou-se para o Provável Samba Enredo da Portela e orou contrito “This is my guy” (“esse é meu chapa”), depois disso só faltava o quê, só faltava o Santo Santo Santo adentrar (!) o Vaticano e ser beatificado e canonizado, de padim padi Ciço já é chamado por multidões pedindo “a benção meu padim”, atirando-se ao chão para beijar o solo sagrado por Elle pisado. O dedinho faltante já é chaveiro da sorte best seller, “bento” pelo camelô que enricou vendendo-o.
O Cara chega aqui de volta para uma breve visita aos seus países baixos, toma preventivamente todos os remédios contra azia que conhece e faz um gestinho merreca de boa vontade em direção à crasse-mérdia. Indo à Grande Nação do Norte visitar seus currais eleitorais cevados a bolsa-esmola, presiMente que odeia a crasse-mérdia por ser zelite inimiga do povo excluído.
Dá-nos (dá dado mesmo, fui convencido pelos chapas-brancas do “nosso” franklin, jornalistas mezzo aliche mezzo funcionários públicos, de que a grana sai pessoalmente do borço delle) de presente o fogão sem I.P.I., favorzinho torto para todos nós, tão precisados de uma grojinha.
Deu-nos bolsa-fogão para poder acusar-nos de chorões de barriga cheia, insinuou ao seu (delle) povo que queremos fogão porque temos comida para cozinhar, o que aumenta contra nós o ódio das massas... e das carnes e frituras, etc.
Para garantir ascensão da Coroa nas pesquisas, o Cara acenou também com a gelulladeira, para ofender-nos ainda mais com a fofoca de que não só temos comida para cozinhar (donde o fogão), como temos tambémcomida para armazenar em casa, especular e provocar carências (donde a gelulladeira).
A intenção delle é sacana, comprar votos para a Coroa, a minha também é, quero fogão e gelulladeira, então está feito, sou baratim, passo a mão no fogão e na gelulladeira, apoio e voto públicamente na Coroa do Cara.
No segredo da urna, sou Serra e ninguém tasca.

BARBOSA x GILMAR, PROTÓGENES x DANTAS, QUEM SÃO OS MOCINHOS, QUEM SÃO OS BANDIDOS?

Postar um comentário