sexta-feira, 27 de março de 2009

O Grão Cupim.


Neil Serra nelle Ferreira.
“Fora cupinzada lullista” – imprimi esta frase, colei no meu carro e distribuí aos amigos que não suportam mais essa lambança lullista em que vivemos.
Quem deu o mote cupinzeiro foi o FHC. Referiu-se ao tema no almoço de estreia do Conselho Político e Social da Associação Comercial de São Paulo, responsável por este Diário do Comércio, que abriga meus textos na página “Opinião” das sextas-feiras.
Você imagina o nivel dos convivas. Os comes devem ter sido papa fina. FHC é zelite, tem berço, é bem formado, elegante, culto, inteligente, fala com fluência meia dúzia de linguas civilizadas, não apenas o sindicalês e o futebolês. Nos seus 2 mandatos como presidente foi considerado o quadro mais bem preparado da política mundial. Eu era feliz e sabia. Suporta com bom humor e savoir faire as saravaidas de invejosas grosserias que lhes são atiradas quase diariamente pelo Grão Cupim, mas é do ramo. Lá dentro do cérebro privilegiado sabe mais de política do que todos nós juntos. Sabe quando puxar o freio, sabe quando acelerar.
Agora acelerou.
Enquanto isso, em Santo Antão, importante centro cultural e econômico da Grande Nação do Norte, o Grão Cupim festeja com a cumpanherada a vitória do córintcha sobre o Santos, você imagina o nível dos convivas. Comemora a presença à mesa de um “rolão de mortadela e uma Pitu bem geladinha”, comes e bebes papa finíssima para elles. Confirmo o menu porque distribuído à nação pelos mezzo jornalistas mezzo funcionários públicos, cabras da maior confiança do sequestrador confesso “nosso” franklin.
A confissão está gravada no documentário “Hércules 56”, financiado com bufunfa de empresas e bancos estatais, do Ministério da Cultura (do juca ferreira), escrito e dirigido por um funcionário do Ministério da Cultura (do juca ferreira) e muito exibido na Tevê Lulla que dá traço no Ibope, ninguém vê, menos de 1% de audiência. O traço sou eu.
Voltemos ao cupinzal. Sem beber, rosnar, latir, babar ou perdigotar, FHC colocou o dedo na ferida nacional, que todos percebemos mas não fomos capazes de diagnosticar e reduzir à sua expressão mais simples e compreensível.
Batizou de “cupinização do Estado brasileiro” o loteamento e distribuição de cargos técnicos para políticos do baixíssimo clero.
Entregar tudo o que precisa funcionar e toda grana necessária ao PMDB do Sarney, do Renan e do Barbalho (aquelle a quem o Grão Cupim beijou a mão) e o que sobrar, se sobrar, para a dezena de partidecos que aderiu à “base aliada” a poder do mensalão. Atenção advogados, data máxima vênia mensalão não existe, é invenção minha, artifício de texto, licença poética, não levem a sério o que escrevo.
O Estado brasileiro, tomado e ocupado pela cumpanherada teve seus cargos técnicos invadidos por fósforos petistas e cupinchas da famosa “base aliada”, foi aparelhado, custa caro e não funciona, está sendo roído, comido, devorado pela cupinzada lullista como nunca antes se viu neste país.
Ou o Brasil acaba com a cupinzada lullista ou a cupinzada lullista acaba com o Brasil. É questão de vida ou morte. A cupinzada lullista, eis a ameaça a ser combatida como legítima defesa e legítima limpeza da pátria amada, salve, salve.
Voraz, o cupim é tão faminto que foi flagrado comendo laje de concreto em edifícios do bairro de Higienópolis, São Paulo. Parece inacreditável mas é verdade, há provas. A cupinzada lullista aboletada na Brasília de concreto está gorda de tanto comer, é verdade, há provas.
O Grão Cupim anunciou agora o banquete com a comilança de Um Milhão de Casas Populares, a conta gira em Trinta e Quatro Bilhões, para as cabecinhas menas trata-se do número 34 mais Nove Zeros vírgula Dois Zeros. Em nenhum momento o Grão Cupim, a Grã Cupinza, A Fofa, e o cupinzinho mantega, que bateram esses bumbos bilhardários, referiram-se à fonte desse himalaia de grana, não que eu percebesse.
Mas uns “gorpistas” da maior seriedade comentaram que “Douze” Bilhões (para dramatizar falam em carioca, que parece nordestinês, “Douze...”) são do Fundo de Garantia do trabalhador formal.
Imagine, Trinta e Quatro Bi para o PMDB e seus quejandos “tomarem conta”, “Douze” do Fundo de Garantia, sabe quando vão prestar contas disso ? Nunca.
A Grã Cupinza, A Fofa, fareja votos e deixa escapar e dá a entender, para bom entendedor zero é número, que entre os beneficiários da Casa Própria “quem não puder (não quiser...) pagar, não paga”.
Aí, lá na frente, se um dia o trabalhador formal necessitar resgatar o seu Fundo de Garantia que estaria sendo comprometido agora com essas Casas Próprias, cujos beneficiários já estão sendo instruídos a dar o calote social, que vá cobrar do Zé de Abreu, se ele não pagar nem eu.
O Grão Cupim compra e paga a eleição da Grã Cupinza, A Fofa, com o bolsa-casa assim como comprou a sua reeleição com o bolsa-esmola.
Portanto, amigo, se você tem um troco no Fundo de Garantia, trate de dar um jeito de ir buscar agora, como disse Chico Buarque “quem espera não alcança”. E olha que o Chico é lullista histórico, sabe o que está falando.
Só assim de memória, lembro-me de fotos recentes do Grão Cupim, do “guerrilheiro” genoíno que assina milionários contratos sem ler, do “nosso” delúbio, o da Teoria Econômica do Dinheiro Não Contabilizado, o popular “Caixa Dois”, do encenador merdacante, pai do Dossiê Fajuto e capo dos aloprados, do greenhalgh, o que conhece o caminho das pedras das indenizações milionárias, zé dirceu, socialista de mercado e milionário lobista, todos gordinhos, rechonchudinhos, barrigudos, papadas exuberantes, qualquer um receberia com justiça o codinome (elles são chegadíssimos a codinomes) de Ronaldão El Gordo, “ratos magros” que eram, na genial definição do cantor gongado Roberto Jefferson, hoje obesas ratazanas a se acreditar nas fotos recentes.
O Grão Cupim carrega a tiracolo do norte ao nordeste e do nordeste ao norte a Grã Cupinza, A Fofa, para tentar sentá-la no seu trono e preservar, resguardar e salvar a comilança nas boquinhas federais, estaduais e municipais.
Até um dos mais gordos e estrelados cupins, vivente à sombra do Grão Cupim, u cumpanhero durci, tido como braços direito e esquerdo do Grão Cupim (cupim tem braço, pernas ou patas ? não sei) já avisou que se dançarem em 2010, estarão fora em 2014. No passarán.
SERRA, O MATA-CUPINS.

PS ABSURDO:
O Grão Cupim acabou de se superar ao declarar que "a crise não foi provocada por preto, indio ou pobre, foi provocada por brancos de olhos azuis".
Preciso declarar aqui que estou safo. Como FHC, "j´ai un pied a la cuisine..." E meus olhos são claros apemas quando estou calmo e tranquilo, o que não acontece há quase sete anos.
Mas.. us branquelo aí qui si cuidi... o Grão Cupim está de olho em vocês, qualquer hora os federais chegam nas suas casas e vocês vão aparecer algemados na Globo.
Postar um comentário