terça-feira, 17 de março de 2009

NA PRORROGAÇÃO E SEM GOLS

NA PRORROGAÇÃO E SEM GOLS- publicado no jornal O Globo em 12/03/09, O Estado de São Paulo em 15/03/09 e Jornal Valor Econômico em 16/03/09

Caiu por terra o discurso do presidente Lula de que o Brasil seria um dos países menos afetados pela crise econômica global. A prova foi a queda do PIB em 3,6% nos últimos três meses de 2008, o pior desempenho da série histórica do IBGE iniciada em 1996. Basta ler as declarações dos economistas sobre o assunto: "Considerado apenas o período de outubro a dezembro, a reviravolta sofrida pelo País foi uma das mais agudas do planeta." "O PIB veio muito pior do que todo mundo esperava." "Na produção, o destaque negativo ficou com a indústria, que recuou 7,4% no último trimestre do ano (maior tombo em 12 anos)." "O tombo da economia foi enorme. Os dados divulgados põem o País em recessão." "A recessão é mais severa e intensa do que se imaginava." "Esse resultado aborta um longo período de crescimento vigoroso. A crise provocou uma ruptura no padrão de crescimento, houve uma desaceleração muito forte e generalizada no último trimestre." Na América Latina, países como Argentina, México e Venezuela caíram menos que o Brasil. Ficamos com a lanterna na mão e a ver navios. Essa semana o presidente festejou o gol na prorrogação, mas na Economia é diferente: a prorrogação sem gols é devastadora.
Izabel Avallone -
Postar um comentário