segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Nossos novos medos. Por Marli Gonçalves

Diariamente temos medos, muitos medos. Antes, eram os regulares, aqueles contra os quais nos defendíamos como podíamos, com seguros - de fogo, de vida, de acidentes. Mas agora parece que tudo mudou, e a cada dia temos mais medos e do que a gente nem sabe o quê, nem de onde vem. Mas pressente estar próximo. E não há seguro possível para se prevenir.


Duvido que exista um só brasileiro que não esteja arrasado pelo que viu, está vendo ou acompanhando uma vez que tenha sabido das tragédias devastadoras ocorridas no Rio de Janeiro e, de certa forma, também em São Paulo. É um misto de compreensão dos desígnios de Deus, para os que crêem, e de absoluto inconformismo de quem observa com vista privilegiada, e aponta a incompetência, o descaso e o escárnio de autoridades, administradores e políticos, ano após ano.

2011 começou mostrando uma cara muito feia. Mas houve beleza na cena da Dona Ilair, a mulher que conseguiu salvar-se com a ajuda de vizinhos, e o que tentou agarrada ao seu vira-lata pretinho. Nunca sairá da minha memória. E sei que também não esquecerei o cachorrinho perdido, levado pela enxurrada dos braços de sua dona, em desespero. Coisas assim a gente não esquece; acontece com todos os jornalistas que fazem essas coberturas e acabam marcados. Passa ano, vem ano, e se começa a chover forte, meu coração ainda prevê essas tragédias que já viu in loco, vistas, acompanhadas, previstas. Tragédias naturais amplificadas por uma inexplicável leniência.

Mas veja que agora todos estão desassossegados. Antes, em geral, enchentes e deslizamentos atingiam "pobres", derrubando e desmoronando casas de "pobres". No máximo, encharcando carros incautos transitando ocasionalmente em áreas "pobres", e não derrubando e matando também milionários em férias em suas mansões, haras, fazendas.

Percebo então o quanto estamos cercados de novos medos e ameaças, e que parece não haver mesmo mais nenhum lugar seguro. Nem com nós mesmos. Esse é o tema.

Shoppings centers? Assaltos, tiroteios, brigas de gangue, seguranças mal treinados, carros que podem voar dos estacionamentos que eles improvisaram subindo prédios, esticando curvas, fazendo puxadinhos.

Apartamentos? O elevador pode cair. Arrastões, porteiros descontentes que viram assassinos, síndicos enlouquecidos que matam em elevadores. Obras descontroladas que podem fazer ruir por terra os sonhos de toda uma vida, com areia ao invés de cimento, canos de "papelão" ou coisa parecida.

Férias paradisíacas? Tsunamis, maremotos, furacões e terremotos, enchentes e deslizamentos. Greves políticas incendiárias. Fora os cruzeiros mareados, o caos aéreo, claro, e outros problemas, menos nobres.

Carros blindados? Blindagens de embusteiros, falsas blitz que obrigam que as portas se abram, com seguranças coniventes, sequestros e mortes. E os outros: pessoas sem habilitação ou condições mínimas em veículos idem, bêbados, irresponsáveis de toda sorte furando sinais e brincando de rachas em ruas, avenidas ou estradas mal conservadas, tanto quando alguns de seus usuários.

Ruas? Pontos de �?nibus invadidos por procuradoras bêbadas. Crianças esmagadas por ferragens, de quem se ferra e que ferram outros. Travessias radicais - o outro lado da rua pode significar ir para o outro lado da vida. Fora as guias e calçadas esburacadas que podem te mandar para o ortopedista.

Há ainda o perigo dos raios, das bombas que explodem para chamar a atenção do mundo, mas destroem famílias, alheias, postas involuntariamente no cenário de guerras. Há as doenças, vírus e bactérias novas, algumas trazidas na bagagem de forasteiros, migrando com suas malinhas para um país onde se desenvolvem e se criam, fortes e sem serem incomodados. Como moluscos africanos.

A vida passa a ser a transposição diária de uma sucessão imprevisível de acontecimentos e de superação de medos, inseguranças e fatalidades.
Temos medo. Temos medo também de virar um número entre tantos. Temos medos, receios, certezas e dúvidas. Estamos todos muito sensíveis, precisando desabafar, mas não conseguimos mais respirar aliviados nem com o desenvolvimento da vida virtual que nos isolou em cápsulas aparentemente seguras.

Agora, por conta, temos ainda novos medos, particulares. Paranóicos. De ofender os amigos por não conseguir responder a um e-mail (ou de ter respondido, sim, mas em mensagens perdidas por provedores e sistemas). Temos medo de não reconhecer a mensagem de SMS daqueles que parecem ter certeza que seu telefone é adivinho. E ele não é, por mais moderno que seja. Temos medo que nossos computadores "fofoquem" para quem mandou que deletamos mensagens que, muitas vezes, não deletamos não. Temos medo de que nossas mensagens sejam mal interpretadas, se interceptadas por quem procura motivos, pelos ciúmes dos amores ou maridos e esposas que na calada da noite violam sigilos e individualidade dos nossos destinatários. Vamos acabar secos, frios, formais. Ou dissimulados demais, cheios de códigos e senhas indecifráveis, criptografadas.

Temos novos medos. Novas nóias. E muita dificuldade de lidar com todas elas, mesmo que só nos nossos íntimos, como mães que envelhecem pensando no perigo que seus filhos possam estar correndo nesse exato momento. Incapazes que são e se sentem, de criar mantos protetores, couraças inexpugnáveis.

Vamos ficar loucos desse jeito. Procuraremos videntes, alguns, simplesmente crápulas? Procuraremos sinais do Universo? Diremos tudo aos analistas, psicólogos, psiquiatras e psicanalistas, que proliferarão, também buscando as mesmas respostas, já que ele vivem nesse mesmo mundo, neste mesmo tempo?

Ou simplesmente deixaremos o barco nos levar, sabendo-se lá que dia e como será?

São Paulo, de um Brasil inteiro, consternado. De um mundo todo em transição. 2011 em diante.


(*) Marli Gonçalves é jornalista. Nunca se esqueceu de uma entrevista que fez, 27 anos atrás. Era uma mãe muito pobre e de muitos filhos que acabara de perder um deles, atropelado na ferrovia. Ela tinha muito que fazer e continuar. Apenas virou para um dos outros filhos e pediu que ele fosse ao local do acidente buscar a cabeça do irmão, que havia sido decepada. Ela apenas queria enterrar o passado e continuar a enfrentar aquele seu futuro, muito real. Não havia tempo para dramas.
*********************************************************************************************
Estou no Twitter, Facebook, com blog. Todos feitos com muito esforço para ficarmos juntos mais tempo: Inscreva-se para receber os avisos de novos posts. Entre, participe, fique à vontade. Sinta-se em casa. Divirta-se.

Visite meu blog
No Twitter, esperando seguir e ser seguida: "
***
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
***
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente, www.brickmann.com.br e no http://marligo. wordpress.com// Aqui você encontra todos os artigos anteriores: ***
ATENÇÃO:
Postar um comentário