terça-feira, 29 de dezembro de 2009

QUAL DESENVOLVIMENTO?

(No Estadão Online, terça-feira, 29/12/2009)
Será que o "novo desenvolvimentismo" proposto pela ministra Dilma Rousseff significa mudança de rumo sobre a política atual? Só pode ser, pois o que Lula está fazendo não leva a um Estado forte, mas a um inchado, fraco e ineficiente! E, com o aumento progressivo da estatização, o Brasil estaria regredindo no tempo. Para o bem do Brasil, e da liberdade responsável dos brasileiros produtivos, melhor seria termos Leis mais fortes, iguais para todos, com um Estado mais ágil e competente na sua aplicação. Ou seja, o Brasil só será forte (competindo de igual para igual com o mundo globalizado) com mais respeito à Constituição, mais liberdade empresarial e governos mais atuantes e menos onerosos. O que precisamos é que as leis sejam entendidas e cumpridas, sob a supervisão de agências regulatórias profissionais e respeitadas no revelar e punir transgressões. Justamente o contrário da anarquia institucional que está sendo o governo Lula. O Primeiro Mundo caminha numa direção e nós, infelizmente, temos caminhado na direção oposta. Lá, o povo vive com liberdade, progresso e bem estar, sob governos de respeito. Aqui, quem trabalha, produz e paga pesados impostos (38% do PIB), vê seu dinheiro desaparecer na insaciável máquina do Estado, com pouquíssimo retorno e nenhuma explicação. Lá o povo vive com abundância e respeito; aqui, como Lula mesmo apontou, o povo vive na merda. Será esse o caminho do Estado "forte" (sic) sendo proposto por Dilma? Se for realmente, que Deus nos ajude!
Postar um comentário