domingo, 9 de agosto de 2009

SARNEY, O INCOMUM


Sarney, o incomum- publicado no Diário do sudoeste em 07-08-09

Sarney recebe acima do teto. Sarney emprega parentes, pratica o nepotismo de forma escancarada e acha normal, assim como seus aliados. Indagado sobre o valor de seu salário acima do teto permitido, Sarney respondeu que resguardado pelo direito constitucional que tem, como qualquer brasileiro, à privacidade sobre os seus vencimentos, não vai se pronunciar a respeito. A alegação é de um cinismo sem tamanho. Para ter seus direitos resguardados em relação à privacidade de seus vencimentos, lembra que é igual a todos os brasileiros, nos direitos é claro, porque nos deveres age de forma completamente diferente. Que país é esse que estão querendo vender aos brasileiros? Que em certas situações eles são mais iguais que os outros? E se a lei proíbe que se ultrapasse os vencimentos fixados por lei como teto máximo, por que esse cidadão incomum pode tud o? Da forma como as coisas vão se sucedendo podemos pensar em atolar a justiça com ações requerendo o direito de igualdade, que escrito na Constituição e não vem sendo cumprido. Sarney consolidou sua carreira solo, e vem se destacando como homem poderoso do Senado, da República, do Maranhão, do Amapá e do Brasil. De nada adianta tanto egoísmo e avareza, quando nasceu Sarney veio de mãos vazias e de mãos vazias voltará. Só não quero estar perto dele na hora do acerto de contas.
Izabel Avallone
Postar um comentário