segunda-feira, 20 de julho de 2009

Crônica do Furto Anunciado

Furto, Houaiss: ladroeira, roubo, afano, empalmação, esbulho, desvio, escamoteação, escruncho, espoliação, gatunagem, ladroagem, limpa, levamento e mais quase uma dezena de significados.

A Câmara de Vereadores de São Paulo, teóricamente composta por representantes de todos os cidadãos brasileiros que moram e pagam impostos em São Paulo, Capital, independente de raça, cor, credo político, religioso-religioso e religioso-futebolístico, agindo quase na surdina armou uma comissão para silenciosamente por suas espertas mãozinhas nos nossos sofridos bolsinhos. Preste atenção e veja que aí tem, até eu já senti o “perfume” da armação.
A comissão, constituída agora no meio de 2009, é para “preparar” homenagens oficiais da cidade ao centenário do córintcha, timeco do lulla, em 2010, ano das eleições, eitcha coincidência da mulessta. Nunca antes nesse país uma comissão teve tanto tempo para preparar uma festa de parabéns em homenagem a uns 10% da população e em desomenagem aos outros 90%, mas tudo bem.
Não aí que reside o perigo. O perigo reside em que todo esse tempo será útil para se preparar nos esconsos, na escuridão, no escondidinho e depois apresentar-nos a todos como fato consumado a doação do Estádio Municipal do Pacaembu para o córtintcha, como aos poucos fala-se nisso com a maior naturalidade. Dou um exemplo, a cada jogo do córintcha no Estádio Municipal do Pacaembu, a mídia chapa-branca (e preta) fala que o timeco joga “em casa”, e você vai se acostumando.
Não se acostume, não admita, fale com seu vereador, ameace-o de que o punirá se um bem municipal, pago com os impostos de todos o munícipes, seja doado a apenas uma parcela deles. Não seja otário em mais essa, meta a boca no trombone.
NEIL o Pacaembu é nosso FERREIRA.
Postar um comentário